Crônicas de um tal Mesquita
O problema é que eu sou 90% porcaria.
Dean Winchester.  (via um-vampiro-rockeiro)
Como assim, quanto é infinito? Infinito é infinito. É tudo. É pra sempre. É sem fim. É uma coisa que não dá para contar nos dedos. Nem na calculadora? Não, nem na calculadora, filho.
Gabito Nunes. (via alentador)
Eu tô enfrentando a vida, levando umas porradas, chutes, ponta pés e me quebrando toda. Mas se no final valer a pena, não ligo nenhum pouco de sair machucada.
Thiara Macedo. (via motoshima)
Não lamente por aqueles que se foram. Apenas agradeça por aqueles que estão com você.
Clarice Lispector. (via motoshima)
Isso daqui vai durar. Sabe porque? Porque todo santo dia, eu acordo com a mesma vontade de ver esse teu rosto.
P.S. Eu te amo.  (via quotes-de-series)
Isso daqui vai durar. Sabe porque? Porque todo santo dia, eu acordo com a mesma vontade de ver esse teu rosto.
P.S. Eu te amo.  (via quotes-de-series)
Me acostumei tanto a pensar em você, que quando não penso, parece que esqueci alguma coisa em casa.
Soulstripper. (via oneprince)
ce tem cara de vadia, sério
Que a força do medo que tenho não me impeça de ver o que sinto. Que a morte de tudo que acredito não me tape os ouvidos e a boca, porque metade de mim é o grito, mas a outra metade é o silêncio. Que a música que ouço ao longe seja linda e que a pessoa que eu amo esteja sempre amada, mesmo que distante, porque metade de mim é partida e a outra metade é saudade. Que as palavras que falo não sejam ouvidas como prece e nem repetidas com fervor, apenas respeitadas, como a única coisa que resta numa pessoa inundada de sentimentos, porque metade de mim é o que ouço e a outra é o que calo. Que essa minha vontade de ir embora se transforme na calma e na paz que eu mereço, que essa tensão que me corrói por dentro seja um dia recompensada, porque metade de mim é o que penso e a outra metade é o vulcão. Que o medo da solidão se afaste e que o convívio comigo mesmo se torne ao menos suportável, que o espelho reflita em meu rosto um doce sorriso que eu me lembro de ter dado a minha face, porque metade de mim é lembrança do que fui e a outra metade, eu não sei. Que seja preciso mais que uma simples alegria para me fazer aquietar o espírito, e que o teu silêncio me fale cada vez mais, porque metade de mim é abrigo, mas a outra metade é cansaço. Que a arte aponte uma resposta mesmo que eu não saiba e que ninguém atende complicar, porque é preciso simplicidade para fazê-la florescer, porque metade de mim é platéia e a outra metade é canção. Que minha loucura seja perdoada, porque metade de mim é amor e a outra, também.
Oswaldo Montenegro. (via distanciarei)
Não se afaste, por favor. Não suporto perder mais ninguém de quem eu gosto.
Dezoito Luas.    (via incastigado)